Fotografia e catupiry

Estava lendo na comunidade Noivas de Fortaleza, no Orkut, sobre postar ou não os valores dos contratos fechados. A princípio não vejo problema, mas lembrei que neste mês o evento que eu fechei com o valor mais alto custou cinco vezes o valor do mais baixo, por inúmeros motivos (tamanho da equipe, álbum, coberturas, etc).

Entendo a importância de ter uma base e acredito que a maioria delas queira saber os valores para este fim, mas é preciso ter cuidado para não transformar a realização de um sonho em commodities, pois quando o referencial passa a ser o preço a tendência é a homogeneização dos serviços por baixo.

Veio-me a cabeça um exemplo totalmente off: vcs sabem por que o catupiry de quase todas as pizarias e lanchonetes é o mesmo (sem gosto) salvo raríssimas exceções? Porque alguém colocou no mercado um preparado de requeijão com uma pasta de gordura vegetal e amido, bem mais barato, e os restaurantes passaram a comprar por causa da concorrência. Vcs podem ver lá no Macro, como nem vendem mais requeijão (catupiry), só esse preparado.

Outro exemplo é o dos monitores LCD: a Dell, última empresa que fabricava monitores com painel IPS (melhor) os tirou do mercado e agora só vende no Brasil o padrão TN (mais barato) porque aqui a gente olha primeiro o preço.

Voltando aos assuntos culinarísticos:  Filé mignon a R$ 15,00 – Barato!  Carne de pescoço a R$ 10,00 – Caro!

Eu ando pelejando pra vender filé. De vez em quando me aparece alguém dizendo: “[…] mas a fotos do fulano é só tantos reais […]”. Tento ser cortês e educado pra não dizer que quem vende foto é a AbaFilm e o Extra. Eu transformo sonhos em imagens.

This entry was posted in Artigos.

7 comments

  1. Lana Liz says:

    Concordo Fábio.
    Não podemos tomar como base apenas os preços, mas a qualidade do serviço oferecido.
    De que adianta um profissional bemmmm barato, mas que depois quando olharmos o resultado vai bater aquele arrependimento?

  2. Mayra says:

    Olá Fábio eu sou a idealizadora da polêmica rsrsr,
    tdo bem?!
    Eu concordo com vc, quando fala ” é preciso ter cuidado para não transformar a realização de um sonho em commodities” mas acho que existe um parêntese antes da homogeneização, a qualificação profissional. Os profissionais que trabalham nessa área de eventos tentam divulgar seus trabalhos da maneira mais facil para que possamos entrar em contato, por exemplo vc, tem seu site, seu orkut, blog, eu estou vendo a qualidade do seu trabalho, para mim é quase impossível eu querer baratear o seu produto se ele é bom, se é um dos melhores. Jamais eu igualaria seu trabalho a outros fotógrafos. Então acredito que devemos ter cuidado sim, mas não que a divulgação de valores e fornecedores prejudique a qualidade do mercado, se vc sabe o valor do seu produto e sabe que ele tem qualidade, tenha certeza que haverão varias pessoas para pagar por ele. A questão é a desvalorização profissional que não poderia haver, e pessoa que faz esse tipo de comentário a você não conhece seu trabalho. Lógico que todo produto tem um piso “x”, se eu quero pagar “2x” pelo seu produto é pq vc me garantiu ou simplesmente soube me vender bem que aquele era de qualidade…
    Estamos num mundo de livre comércio, e livre competição de mercado, você esta aqui para oferecer, para vender, eu estou no meu papel de pechinchar, e porquê não divulgar?
    Hehehe eu não como o “catupiry fake”, nem pago por ele, pq, o negócio ruim que inventaram p substituir !!

    PS. Adoro seu trabalho!!

  3. Cristina says:

    Adorei seu ponto de vista Fábio, pois penso exatamente igual: Caro pra mim é o que não vale o que estou pagando.
    Percebi ( ao organizar os 15 anos da minha filha) que certos profissionais de eventos são inacessíveis para mim.Desses, alguns achei caro outros não, pois o trabalho que me apresentavam era tão maravilhoso que não era caro , apenas eu não podia pagar.
    Teve também profissionais que pela fama imaginei não poder pagar e me surpreendi com valores e qualidade. Deu pra pagar!
    Outros, se me cobrassem metade do orçamento que me passaram ainda acharia caro.
    Se todos tivessem essa consciencia as festas seriam só alegrias, sem frustrações e decepções.

  4. ana maria de abreu siqueira says:

    Concordo completamente com seu ponto de vista Fábio!

    E essa história do Catupiry é a pura verdade (requeijão com uma pasta de gordura vegetal e amido), sou engenheira de alimentos e posso confirmar isso! E essa metáfora retrata EXTAMENTE da mania de muitos brasileiros de preferir pagar mais barato achando que está pagando pelo mesmo produto! ABSURDO!

    A gente sabe a diferença! O requeijão com amido não é gostoso como o requeijão catupiry! Assim como fotos, um equipamento de ótima qualidade com uma equipe experiente faz sim a DIFERENÇA! E como faz…

    Já ví amigas pechincharem com fotógrafo e depois se lamentarem pq o serviço não foi bem feito… Daí já passou, não é? E os momentos que poderiam ter sido registrado não tem como voltar atrás!

  5. Ana Paula Batista says:

    Adorei a comparação de fotografia com catupiry!!! rsrsrs
    Concordo com vc! E foto de casamento é algo que não dá pra voltar ou fazer de novo. Pedir pra noiva entrar novamente na igreja, já pensou? Se o fotógrafo errou ou não pegou aquele momento especial, já era! Aí só resta a quem quis pagar mais “barato” por serviço de baixa qualidade (pra mim isso é caro!) chorar.
    Parabéns pelo seu excelente trabalho. Eu não conhecia. Vou ficar sempre de olho no seu blog pra ver as novidades.
    Abraço

  6. Paulo Figueiredo says:

    Olá Fábio,

    A muito tempo não entrava em seu blog, e quero dizer que gostei muito deste post, pois ainda na questão do produto existe a questão do serviço, vejamos a coca-cola em lata, que já encontrei de R$ 1,20 em supermercados e até R$ 4,50 no Aeroporto, e olha que é o mesmo produto, mas que se difencia pelo serviço e local.

    E no caso da fotografia de casamento, existe a questão do preço e valor, muitos preferem o preço, mas existem noivas que querem algo mais, e pagam por isso, ou seja, procura valor, um álbum com imagens personalizadas e diferenciadas, e isot para mim vale muito.

  7. Marina Porto says:

    Muito antigo este post, mas com certeza ainda continua sendo válido. Amei a frase “Eu transformo sonhos em imagens”… com certeza foi isso que vi em todas as fotos! Quero muito meu sonho em imagens. Parabéns! Seu trabalho é encantador!

Deixe uma resposta